Archive for the ‘Virtudes da agricultura’ Category

A agricultura é uma fábrica de esperança

27 Janeiro 2014

Foto João Xavier - Couve Xis a nascer

Um dos males da vida moderna é a falta de esperança: enebriadas em vidas demasiado citadinas e com demasiada tecnologia, as pessoas enganam o tempo com trabalhos stressantes e lazeres ociosos.
Entre as condicionantes mais severas do quotidiano da vida moderna, está a poluição que afeta a saúde física e a saúde psíquica.
Com a artificialização do ambiente, até a alimentação deixou de ser saudável e natural.
É contra todas estas condicionantes que a agricultura continua a resistir: persiste em nos fornecer alimentos a um ritmo natural, bastam-lhe ferramentas simples, induz-nos relax, fornece-nos iões negativos potenciadores do nosso bem estar e é uma autêntica fábrica de esperança, no crescimento, na floração e na frutificação das plantas de que cuidamos.
Quando investimos o nosso labor na criação de plantas, estamos sistematicamente a acionar o nosso motor interior da esperança. E essa atividade mental e espiritual disponibiliza-nos para uma postura mais aberta, esperançosa e sã, relativamente a todos os outros aspetos da nossa vida, seja a nível pessoal, seja a nível familiar ou profissional.
Faça agricultura e verá como os índices de esperança se vão inflacionar nos seus pensamentos e nas suas relações sociais.

Anúncios

A agricultura aumenta a autoestima

20 Janeiro 2014

Foto João Xavier - Homem a cavar

Quando investir o seu tempo na agricultura, você vai melhorar o seu autocontrole e a sua autoestima.
A agricultura transforma as pessoas em criadores de vida e você vai perceber que a vida de muitas plantas depende de si. Essa perceção melhora os índices de autoavaliação e aumenta a carga quotidiana de otimismo.
Com as atividades agrícolas, afastamos dos nossos pensamentos as tricas que nos atormentam.
Enquanto muitos fogem de diversos problemas pessoais e sociais «desertando da vida» e praticando escapismos vazios e passividade, a agricultura torna-nos investidores da vida e da natureza.
Deixamos assim, facilmente, de projetar a nossa vida no passado e nos problemas, para nos focarmos na curtição do presente e na perspetivação otimista de um futuro em que somos produtores constantes de vida.
A felicidade das pequenas coisas é como uma planta que só cresce em clima de pensamentos positivos e precisa de ajudas constantes para não murchar nem secar. Essa simbologia vive-se integralmente nas práticas agrícolas e desencadeia nos nossos pensamentos uma limpeza e uma reformatação que nos abre respostas para outros problemas da vida.
Faça agricultura. Você vai melhorar o seu autoconceito e vai sentir-se melhor.

Com a agricultura gerimos melhor o tempo

14 Janeiro 2014

Foto João Xavier - Camponesa em Arouca

As atividades agrícolas fazem-se a uma velocidade natural, sem pressas e com ritmos próprios.
Com a agricultura, ocupamos o tempo em atividades diversas que o estágio de desenvolvimento das plantas indicia e exige.
Não precisamos de olhar ao relógio nem trabalhar de forma maquinal: a agricultura que respeita os ritmos da Natureza também respeita os ritmos do Homem.
As sementeiras, as regas, a apanha das ervas, a cavadela e as colheitas são regidas pelo estado do tempo e pelas estações do ano, dando-nos sempre tempo para trabalhar ativamente e tempo para descansar saudavelmente.
Se nos soubermos entreter em atividades agrícolas, o ócio desaparece e a motivação dá-nos mais alegria de viver, sem obsessões nem pessimismos.
Faça agricultura. Aprenda a gerir o tempo.

A agricultura melhora a perceção

6 Janeiro 2014

Foto João Xavier - Flor de laranjeira Xis

A prática de atividades agrícolas exige de nós o aprimoramento das nossas capacidades visuais, auditivas e tácteis.
O conhecimento cada vez mais perfeito dos estados de crescimento e maturação das plantas envolve um processamento do nosso cérebro com os dados que captamos.
É por isso que a apreciação das cores, das texturas e dos aromas das plantas melhora as capacidades cerebrais e permite-nos interpretar com progressiva qualidade as características vegetais.
Com o exercício sensorial que a agricultura motiva, o nosso cérebro ganha qualidades que nos tornam mais aptos em muitas outras atividades quotidianas, sejam elas laborais ou de lazer, na interpretação daquilo que os sentidos captam.
Faça agricultura. Conheça e contemple melhor o mundo em que vive.

A agricultura torna-nos mais organizados

31 Dezembro 2013

Foto João Xavier - Horta algarvia

A atividade agrícola melhora os índices de organização pessoal.
Conforme experimentamos técnicas e dispositivos diferentes, ficamos a perceber que há métodos mais convenientes que outros.
Com a atividade agrícola, entendemos melhor que tudo precisa de organização, seja no modo como exploramos um terreno, seja na calendarização ou na proteção das nossas plantações, ou até no ritmo das regas e na apanha das ervas.
Toda essa metodologia envolve um processamento cerebral que depois maximizamos em outras atividades da nossa vida.
Com a agricultura, os nossos filhos tornam-se mais organizados e metódicos, porque a Natureza não permite atropelos a regras de bom senso e com os erros detetados procuramos soluções e aprimoramos as nossas atitudes.
Verá que, com as rotinas que adquirirem, eles vão ter mais facilidade em organizar os estudos e planear os trabalhos escolares, ao mesmo tempo que terão uma postura mais saudável perante a vida.

A agricultura reduz o stress

23 Dezembro 2013

Foto João Xavier - Algarvia nas favas

A ansiedade e o stress são problemas graves da vida urbana moderna. Na agricultura, temos um contraponto a picos de nervosismo e de desequilíbrios mentais.
Com a agricultura, descobrimos a calma e o relax.
O contacto com a natureza é por si mesmo calmante. Os espaços abertos e a luz natural são otimizadores do bem estar pessoal, sendo nosso dever interagir com as plantas e o meio para sentirmos que até a tensão arterial melhora com a atividade agrícola.
Está provado que o simples contacto visual com os diversos verdes das plantas faz maravilhas, mas os atos próprios da agricultura (sementeira, rega, amanho da terra, colheita, etc.) induzem ainda mais relax (duradouro) ao nosso corpo.
Na agricultura, encontramos um enorme contraponto à «tortura» invasiva que os mass media exercitam na nossa vida e fugimos saudavelmente às relações sociais antinaturais em que a ganância, os horários, a agressividade, a competitividade e a estupidez nos desregulam os nervos e nos corroem a saúde.
Invista na agricultura. Sinta-se bem.

A agricultura melhora a sociabilidade

16 Dezembro 2013

Foto João Xavier em Santa Margarida

À primeira vista, a agricultura parece um exercício de eremitagem. Essa ideia é uma ilusão.
A prática agrícola não tem necessariamente de ser feita individualmente, mas mesmo que isso aconteça, a vida que dela decorre aumenta os índices de sociabilidade de quem a exerce.
A troca de saberes e de experiências promove o diálogo com os familiares e os vizinhos, a pretexto de fertilização dos solos, combate às pragas, temporização das sementeiras, avaliação das variedades e tantos outros temas. De uma conversa rotineira a propósito da agricultura se puxam outros assuntos e com eles a interação.
Das crianças hiperativas aos velhotes resmungões, a agricultura tudo une, tanto em tarefas partilhadas como no usufruto das colheitas. Essa pode ser uma estratégia para unir famílias.
Além disso, os momentos ditos «eremíticos» (de trabalho isolado) servem muitas vezes para arrumar as ideias e equilibrar um quotidiano com excesso de convívio, sem tempo para a meditação. Relativizando as tristezas e as ofensas.
Depois de cada prática agrícola, você sente-se mais apto para ser bondoso e viver em paz.
Faça agricultura e sentir-se-á melhor para lidar saudavelmente com os outros.

A agricultura incrementa a responsabilidade

8 Dezembro 2013

Foto João Xavier - Batateira xis

A agricultura como estratégia educativa é negligenciada por muita gente, mas é uma atividade que melhora os índices de responsabilidade das crianças e dos adolescentes.
Na educação dos mais novos, a atividade agrícola amadurece o sentido de responsabilidade.
É importante atribuir algumas plantas ou algum terreno à responsabilidade dos nossos filhos: o registo mental das tarefas necessárias para não deixar morrer as plantas ativa partes do cérebro que ficarão treinadas assim mais facilmente para o desempenho responsável de outras tarefas.
Crie nos seus filhos a ideia de que há plantas que precisam deles para sobreviverem e que morrerão se eles não lhes prestarem os cuidados necessários.
Esta educação pode também ser realizada com plantas em vasos e irá progressivamente melhorar os índices de responsabilidade quando os putos perceberem que a floração e a produção foram também frutos do seu trabalho.
A responsabilidade é uma virtude que melhora a nossa vida. Não esqueça.

A agricultura faz-nos produtores

1 Dezembro 2013

Foto João Xavier - Agricultor

Um dos grandes prazeres que a agricultura nos proporciona é o de nos tornar produtores.
Numa época em que o setor terciário ocupa profissionalmente tanta gente, perdeu-se o prazer da produção própria.
É esse prazer que a agricultura nos faculta.
Pode começar com batatas, cebolas, couves, alfaces, feijões, favas, ervilhas, tomates, salsa, hortelã, etc., mas invista também em árvores de fruto.
Logo que possa colher produtos por si cultivados, você vai sentir o prazer inimitável de consumir e oferecer produtos derivados do seu trabalho.
Se optar, como deve, por praticar uma agricultura biológica (sem adubos químicos), você vai notar que o sabor dos seus produtos é muito melhor que o dos produtos que compra habitualmente.
Dê mais prazer à sua vida: faça agricultura!

A agricultura faz-nos mexer

21 Novembro 2013

Foto João Xavier - Apanhando batatas

A agricultura faz-nos mexer diversos músculos e articulações e é um bom argumento para nos levantarmos do sofá e darmos mobilidade ao nosso corpo.
Dos simples exercícios de cavar e regar aos gestos de colheita, nas atividades agrícolas temos possibilidades acrescidas de ativar a circulação sanguínea, melhorar o desempenho cardíaco, lubrificar as cartilagens dos membros e exercitar a motricidade fina.
Há posturas incorretas a evitar, nomeadamente em tarefas mais demoradas e no carregamento de objetos pesados, mas, se for praticada com racionalidade e bom senso, a agricultura traz benefícios para a saúde corporal.
O segredo é a diversificação de tarefas: não se detenha em ações e posturas de longa duração. Intervale com outras ações e outras posturas e regresse mais tarde ao que ainda não está terminado. Evite estar demasiado tempo na mesma posição e em exercícios repetitivos.
Na agricultura, o tempo é gerido com naturalidade e não com obsessões produtivas.