O trigo que já não plantamos

Mário Miranda fez uma escultura dedicada aos agricultores de Vila do Bispo e não escolheu mal a temática: Vila do Bispo foi durante séculos considerada o celeiro do Algarve, com o melhor trigo e a maior produção, sobre as suas colinas ventosas e levemente onduladas.

Recordando um tempo em que cada povo tentava a sua autosubsistência, esta rotunda, mais que uma marca de identidade perdida, representa uma era que teimamos em deixar para trás, caídos que somos na treta do modernismo e das importações.

O povo chamava aos campos de trigo “campos de pão”. E os campos, cada vez mais abandonados, fazem com que seja cada vez mais estrangeira a farinha do pão que comemos…

Deixe uma Resposta

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão / Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão / Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão / Alterar )

Google+ photo

Está a comentar usando a sua conta Google+ Terminar Sessão / Alterar )

Connecting to %s


%d bloggers like this: